Porto de Morro de São Paulo

Morro de São Paulo | Bahia

Parque das Aves

Foz do Iguaçu | Paraná

Estação da Luz

São Paulo | SP

Terceira Praia

Morro de São Paulo | Bahia

domingo, 16 de outubro de 2011

25 bons programas nos arredores da Linha Amarela - VEJA SP

Mario Rodrigues


Aproveite que o serviço agora funciona aos domingos para ir a restaurantes, cinemas, teatros e exposições. - Pedro Katchborian 12/10/2011

A partir deste final de semana, a Linha Amarela do Metrô passa a funcionar até a meia-noite aos domingos. É mais um motivo para aproveitar as estações abertas e conferir bons programas que São Paulo oferece.

VEJINHA.COM fez isso: deixou o carro na garagem e separou vinte e cinco atrações próximas à Linha Amarela.


Estação Luz

Pinacoteca do Estado
O mais antigo museu de arte de São Paulo foi inaugurado em 1905. Atualmente conta com nove exposições em cartaz, como a mostra “Saul Steinberg”, sobre o renomado cartunista.

Parque da Luz
Com uma área de 113.400 metros quadrados, foi inaugurado em 1798 como Jardim Botânico. Entre esculturas de artistas brasileiros e árvores, os paulistanos podem esquecer um pouco do estresse da cidade. O parque recebe a exposição "Sementes da Flora" que retrata a flora do Parque da Luz e da Mata Atlântica.

Sala São Paulo
Sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, o local é uma das mais importantes casas de concerto do país. Recebe neste mês apresentações da Orquestra Sinfônica Philips e do Quarteto Osesp.

Museu da Língua Portuguesa
Abriga exposições de literatura e atualmente tem como principal destaque a mostra “Oswald de Andrade: o Culpado de Tudo”, na qual o público pode conhecer melhor o polêmico escritor, um dos criadores da Semana de Arte Moderna de 22.

Metrô República

Teatro Municipal
Com cem anos de história, o Teatro Municipal já recebeu artistas como Maria Callas, Enrico Caruso, Arturo Toscanini, Claudio Arau, Arthur Rubinstein, Ana Pawlova e muitos outros. Recebe no próximo domingo (16) a apresentação de Antonio Meneses e a Orquestra Sinfônica Municipal.

Terraço Itália
Um dos restaurantes mais turísticos da cidade, é famoso por sua vista. No 41º andar, oferece diferentes ambientes. No Piano Bar, por exemplo, o visitante pode apreciar música enquanto se delicia com pratos como o fettucine ao molho siciliano e o nhoque de mandioquinha ao pesto e tomate-cereja.

Cine Marabá
Com 5 salas, foi reaberto em 2009, em um novo projeto que manteve as características do antigo cinema, inaugurado em 1945. Anteriormente, tinha uma única sala, com 1.600 lugares.

Matilha Cultural
Centro cultural independente e sem fins lucrativos, é dividido em três andares. O mais frequentado é a galeria, que abriga mostras de arte, fotografia e outras produções visuais. No mesmo andar encontra-se o Café Bistrot, vegetariano.

Cine Olido
Localizado na Avenida São João, as salas exibem principalmente filmes alternativos e festivais

Metrô Paulista

Espaço Unibanco de Cinema
Localizado na Rua Augusta, conta com cinco salas. Com algumas sessões grátis, o destaque vai para a variedade de filmes no repertório, do independente ao clássico restaurado.

Galeria Vermelho
Inaugurada em 2002, atualmente a Galeria Vermelho conta com obras de seu acervo e a exposição temporária de Daniel Senise.

Hamburgueria do Sujinho
Sempre com muitas filas, o estabelecimento é famoso pelos seus hambúrgueres de 80, 160 ou 250 gramas, preparados na grelha de carvão. Entre os cachorros-quentes, o destaque vai para o sujinho dog, incrementado com molho de tomate e escoltado por batatas à portuguesa.

Tom Jazz
Além da agitação por conta do ritmo que dá nome à casa, o Tom Jazz também conta com um restaurante cujo menu incluí pratos quentes, saladas, entradas e sanduíches.

Metrô Faria Lima

Casa 92
O som eletrônico predomina no espaço, conhecido pelo clima descontraído e irreverente. Decorado com objetos divertidos e sofás, o local também conta com uma cozinha retrô.

Carioca Club
O samba dá o tom na animada casa, que também é famosa por noites de zouk, uma lambada caribenha, para a qual há aulas no lugar. Com salão espaçoso, também promove shows, como o Ace of Base, que se apresenta no dia 29 de novembro.

Adega Santiago
Um dos mais famosos bares-restaurantes de São Paulo, é conhecido pelas receitas da Península Ibérica. Do lado hispânico, a paella de frutos do mar e o gaspacho são alguns dos pratos oferecidos. Quem preferir pode pedir as opções lusitanas da casa, como o arroz de pato e o polvo à tasquinha. O salão de madeira abriga um público adulto, que pode apreciar a adega climatizada com mais de 150 rótulos de vinho.

Vecchio Torino
A cozinha italiana é responsabilidade do também proprietário Giuseppe La Rosa. A combinação de lagostim, mexilhão, camarão e lula dá o sabor do risoto de frutos do mar, uma das especialidades da casa. O restaurante também apresenta uma seleção de carnes, que conta com o coelho assado com polenta.

Instituto Tomie Ohtake
A instituição é uma das opções para quem quer conhecer e apreciar diversas formas de arte. Atualmente, o centro de convenções apresenta a exposição "Beuys e Bem Além – Ensinar como Arte", em que o visitante pode conferir a produção artística de Joseph Beuys. A instituição também conta com cursos e ateliês.

Cine Sabesp
Inaugurado em 2010, o Cine Sabesp conta com uma sala com 271 lugares. Nesta semana, a sala exibe o filme "Copacabana". É possível comprar ingressos pela internet.

Metrô Pinheiros

SESC Pinheiros
Abriga exposições e mostras, mas também oferece eventos musicais, esportivos e direcionados à criança e à terceira idade. O local também coordena passeios e viagens e sempre conta um pouco da história do lugar visitado. O teatro do espaço recebe às sextas e sábados o espetáculo "Os Amigos dos Amigos", em cartaz até dia 29.

Praça Victor Civita
Inaugurada em 2008, a praça conta com equipamentos de ginástica ao ar livre e um percurso de cerca de 700 metros para caminhada. Há aulas de ioga, ginástica e atividades voltadas para os idosos. Atualmente recebe a exposição "Esculturas Urbanas", que fica em cartaz até o próximo dia 30.

Eco House
Trata-se de um restaurante voltado para a preservação da natureza. No ambiente, destaca-se a bonita e bem cuidada "parede" de bromélias. O cardápio do estabelecimento segue a mesma linha, com saladas, frutas e sucos naturais.

Metrô Butantan

Instituto Butantan
Um dos maiores centros de pesquisa biomédica do mundo, a Fundação Butantã possui extensa área cultural. No Museu de Biologia, o visitante pode conhecer diversas espécies de serpentes, aranhas, escorpiões e iguanas. O local ainda oferece oficinas para crianças e adultos.

Clube do Churrasco
Com diversas opções como o t-bone steak, a picanha e o bife de chouriço, o local também abre espaço para festas.

Rei das Batidas
Frequentado por alunos e funcionários da USP, o estabelecimento oferece variados drinques e petiscos com preço acessível.

Preço da passagem: R$ 2,90

domingo, 25 de setembro de 2011

São Paulo Restaurant Week 2011: Emíllia

Inauguramos a 9ª edição do São Paulo Restaurant Week com um almoço no Emíllia, no bairro das Perdizes.

Esse restaurante não foi nossa primeira opção. Estavamos loucos por um francês, mas, após várias tentativas frustradas em reservar um lugar e de ouvir estavam todos lotados, decidimos ir sem reserva mesmo. Daí, escolhemos o Emíllia.

Demos sorte, porque ao chegarmos encontramos um mesa à nossa espera. A casa estava cheia.

Nossas escolhas:

Entrada: nossas escolhas: quiche de tomate seco com rúcula, acompanhado ninho de folhas verdes.
Prato principal da Helena:
Nhoque de carne louca (de batata ao molho de tomate, carne desfiada, pimentão verde).

Prato do Edu
Pescada di Emillia: pescada do dia com purê de cará e cous cous marroquino.
E as sobremesas...

Da Helena:
Pudim de caramelo de leite caramelizado com telha de coco e calda

Do Edu: Dolce Gelato: sorvete artesanal com petit four, calda e lascas de amêndoas

Atendimento ok, mas um pouco atrapalhado (eram apenas dois garçons para atender), comida saborosa (pena que o nhoque o molho do nhoque estava um pouco frio). Café Nespresso.
Valeu a visita. Pretendemos voltar.

O Emíllia fica na
Rua Cayowáa , 857 - Perdizes
São Paulo
/SP
Tel.: (11) 3862-4200

É dia de feira

Sempre que podemos, damos um pulo aos sábados numa das feiras livres do bairro da Pompéia, zpa oeste de São Paulo.
 


Essa fica na Rua Barão do Bananal com a Cajaíba. É lá que encontramos a melhor banana-maçã e muitas outras delícias!




segunda-feira, 4 de julho de 2011

Camponesa - O Parmegiana - Botucatu/SP

Em nosso retorno de Foz do Iguaçu/PR, fizemos uma parada em Botucatu/SP para almoçar. Inicialmente nossa ideia era o Graal. Demos uma olhada, não ficamos muito animados e desistimos. Saindo do Graal avistamos do outro lado da Rodovia Castello Branco o A Camponesa - O Parmegiana!


Cruzamos a rodovia e fomos ver como era. A entrada do restaurante é uma loja de artigos de decoração e mais ao fundo, o restaurante. Dentro do restaurante há também um mini mercado onde você pode comprar queijos, geléias, pães...


Deliciosa foi a surpresa. A casa especializada em parmegiana, oferece parmegiana de mignon, de frango e até de peixe. 

Só o couvert já é um deleite! Azeitonas, caponata, pão fresquinho, queijos, manteiga, geléia de pimenta... Hummmm!

Se comer todo o couvert não vai sobrar espaço para o prato principal!
Nem deu tempo de fotografar o prato inteiro antes de devoramos. Hehehehe! Dá tranquilo pra 4 pessoas. Saímos de quentinha, claro! O prato acompanha batata chips!


O restaurante é uma graça, super bonitinho e ainda serve a melhor parmegiana que até então, nunca havíamos comido. O único porém, é a distância pra quem vem da capital paulistana. Mas ainda sim, vale muito a pena se tiver disposto.

O restaurante A Camponesa - O Parmegiana! fica na
Rodovia Castello Branco, Km 198

Em Bauru na
Rodovia Marechal Rondon, Km 334

segunda-feira, 4 de abril de 2011

São Paulo Restaurant Week 2011 - Restaurante Emprestado

Nossa viagem a Belém do Pará há dois anos deixou muitas saudades. É um lugar de onde não esperávamos tanto e acabou nos surpreendendo em diversos aspectos como os belos parques, o contato com a natureza amazônica, o artesanato marajoara e... hummmm.... a culinária!

O Restaurante Emprestado apresenta a proposta de reunir pratos selecionados de algumas regiões do país, com seus respectivos ingredientes típicos e com a devida autorização de seus criadores.

Desde que soubemos da existência do Emprestado, tivemos a vontade de conhecê-lo por causa de um prato “emprestado” do restaurante Lá em Casa do saudoso chef Paulo Martins, de Belém do Pará. O tempo foi passando e só agora aproveitando minhas férias fui visitá-lo para um almoço aproveitando o São Paulo Restaurant Week.

Infelizmente férias não são para todos, e a Helena estava trabalhando... Mas tudo bem, vai chegar a vez dela curtir as férias enquanto trabalho!

Pastel de feijoada
Peixe com banana (emprestado de Paraty)
Peixe com manteiga de alho e ervas, coberto com tirinhas de alho poró
e servido com banana da terra e arroz com amêndoas

Salada de folhas com fios de palmito, tomate cereja e castanhas de caju, com
molho de mostarda  mel

Risoto de tomate cereja, com manjericão, mussarela de búfala
ao perfume de limão siciliano, acompanhado de escalope de mignon
Sorvete de tapioca com calda de cocada
Para acompanhar ambos bebemos o exótico suco Frescor de Amora (amora, abacaxi e gengibre).
Os pastéis de feijoada estavam espetaculares! Eu que não sou fã de feijoada, adorei!

O sabor dos pratos então estava perfeito! Um festival de sabores espetacular que ornaram muito bem com o suco! O sorvete nem se fala! Lembrou-me o sorvete de tapioca da Cairú em Belém.

Para arrematar o café espresso acompanhado de docinhos de café era de excelente qualidade.
Os pratos da promoção não incluíam prato de Belém, o que em parte foi ótimo porque temos uma boa desculpa para voltar!


O Restaurante Emprestado fica na
Rua Mourato Coelho, 992 - Vila Madalena
Tel: 11 3034-0214
São Paulo/SP

sábado, 26 de março de 2011

São Paulo Restaurant Week 2011

Mais uma edição está aí para o deleite dos comilões. É uma grande oportunidade de conhecer restaurantes estrelados com preços acessíveis.

Lemos na Veja SP de 22 de Março dicas importantes para fugir das roubadas.

1 - Estude os cardápios antes de escolher o restaurante
O que vale não é apenas o prato principal. Entrada e sobremesa também fazem parte do pacote. "Salada verde" e "fruta do dia" podem fazer aquele menu não valer a pena. Também não se deixe enganar por termos estrangeiros: budino di latte condensato, por exemplo, nada mais é que o nosso conhecido e batido pudim de leite condensado.

2 – Escolha uma casa que agrade a todos
Os menus são enxutos e a tarefa não é fácil. Mas para você e seus acompanhantes aproveitarem ao máximo, faça uma votação para selecionar o cardápio que deu água na boca de todos.

3 – Eleja restaurantes que valham a visita
O evento foi feito para que você vá àquele lugar bacana que ainda não teve tempo ($) de visitar. Portanto, veja se a casa realmente está fazendo uma promoção para recebê-lo. Em alguns casos, restaurantes entram no evento só para ganhar dinheiro e oferecem pratos pelo mesmo preço comumente praticado por eles.

4 – Diversifique
Não aproveite o Restaurant Week para voltar àquele estabelecimento que você já conhece e gosta. A ideia é explorar as novidades, buscar novas casas prediletas.

5 – Reserve mesas
No mínimo, ligue para a casa que você escolheu visitar antes de sair. As filas costumam ser grandes durante o Restaurant Week. Além disso, alguns locais têm o péssimo hábito de dar preferência aos clientes habituais, deixando os comensais que querem aproveitar a promoção em segundo plano.

6 – Prepare-se para gastar mais que os 29,90 reais (ou 39,90 reais) por pessoa
Os valores valem apenas para entrada, prato principal e sobremesa. O que muita gente esquece é que outros custos podem surgir antes mesmo de a pessoa entrar no restaurante. O estacionamento e manobrista costumam ser pagos à parte. À mesa, saiba que as bebidas serão cobradas, assim como o couvert e os 10% de serviço. Se estiver com o dinheiro contado, diga que não quer o couvert.

7 – Não fique com dúvidas
Ninguém quer levar chuchu por caviar. Na hora de pedir, não tenha vergonha de perguntar se não conhecer a receita ou algum dos ingredientes

8 – Fiscalize o prato
Se o que chegar à mesa não for exatamente o que está descrito no cardápio, questione. Por exemplo: o menu diz que a salada leva rúcula, mas veio com agrião? Não deixe barato e exija a receita que lhe foi vendida

9 – Confira a conta
Não é que os restaurantes tentarão enganá-lo, mas não é nenhuma desfeita conferir detalhadamente o que consta na nota. Às vezes, na correria, pode haver algum erro e ser cobrado algo a mais (ou a menos)

10 – Estude o restaurante
Caso a comida esteja boa, o local seja agradável e o atendimento cordial, tente dar uma espiada no cardápio da casa fora do Restaurant Week para saber se as receitas oferecidas e o preços são atrativos para voltar mais vezes após o dia 3 de abril.

Para saber a lista dos reataurantes participantes em todo o estado de São Paulo acesse http://www.restaurantweek.com.br/default.asp?id=24

Bom apetite!

domingo, 2 de janeiro de 2011

O show das nossas vidas – Estádio do Morumbi/SP - 08/10/2010

“Time Stand Still”, “Tom Sawyer”, “Subdivisions”, “Spirit of Radio”, “YYZ”, “Limelight”... nos fez delirar!

O Rush me foi apresentado pelo Edu, que considera ser a melhor banda de todos os tempos, e desde então passei também a ser fã de carteirinha. E agora, somos fãs juntos.

Quando soubemos que a turnê do Rush – Time Machine incluía o Brasil, e que o Estádio do Morumbi seria palco para um dos shows, não pensamos duas vezes. Claro que iríamos! No entanto, quando começaram a venda dos ingressos, desanimamos com os preços. Chegamos até a desistir, mas eis que quase na véspera do show, o Edu fez a loucura e...

...lá estavamos nós na pista. Deparamo-nos com um Morumbi parcialmente cheio, com um público relativamente maduro (faixa dos 30 – 50 anos). Depois, soubemos que o público foi de quase 40 mil pessoas. Justifica-se. O Rush foi formado em 1968 e passou por várias fases musicais (do hard rock-progressivo experimental, da fase progressiva, da fase teclado, hard rock e rock progressivo).

Com uma pontualidade britânica, os canadenses do Rush começaram o show as 21:30 horas. Foram três horas de show com um set list de nada mais, nada menos que 25 musicas que me pergunto como apenas três músicos podem produzir uma sonoridade tão espetacular e tão complexa.

As fotos? Bom, eu não poderia deixar de mencionar que o Edu conseguiu registrar muitos momentos incríveis com muito, mas muito malabarismo.

Esse é o Rush!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...